domingo, 26 de agosto de 2007

portugisisk

Uma semana depois de chegar dou corda à pena (ou pressão às teclas). Vou ser cronologicamente ascendente e assim começar pelo mais antigo. Aterrei no dia 16 (à noitinha, no escuro), depois de ter estado um dia em Barcelona. A propósito de Barcelona, desculpem-me os entusiastas catalães, mas não me seduzi com a cidade... sem no entanto retirar uma vírgula à internacionalidade da dita e reconhecê-la como grande (demasiado grande?). Depois do aeroporto, o Aiport Express Train deixou-me na sentralstasjon da capital viking. Como não consegui "comprar" bilhete para a viagem que se seguia (àquela hora poucas eram as vivalmas) "saltei a cerca" e fui à pala até à penúltima estação da linha 3 (a estadia ainda se media em minutos e estava no crime. Valente!) À chegada estava um "caretaker" (funcionário do Bairro de estudantes de Krinsgjå) para me receber. Confesso que já não aguentava carregar a bagagem mais uns metros... com o osso já soldado, mas com os músculos ainda em recuperação, devo ter demorado mais de 15 minutos para andar uns 300 metros. O homem meteu tudo na furgoneta (eu incluído, claro) e deixou-me dentro de casa sem grandes explicações... e eu também não estava para elas: queria relaxar o corpinho (danone? nããã... seda!) e recuperar-me para o dia seguinte. Que começou com a visita madrugadora à recepção para "acusar" a minha recepção e saber como raio havia de ir até à AHO para a reunião-recepção aos "internacionais". Desta vez comprei bilhete para metro, autocarro e... arre! Esta merdaº (como tem "bolinha" posso ser mal-educado!) é d'outro mundo! Cada corrida no metro são 22 kr (coroas norueguesas) e no bus 15 kr. Bem, ida e volta havia de dar qualquer coisa como 74 kr, o equivalente a mais de € 9.20! Fui comprar o passe mensal. Mas como nasci antes de 77 (nem é bom lembrar!), fico fora dos estudantes e paguei 720 kr (eu fiz a conversão: são quase € 90!) E o resto é como os transportes. Oslo é, como dizia a coordenadora internacional, "embaraçosamente caro!" Quanto à recepção, mais do mesmo: e tal, aqui é a biblioteca, os cartões de estudante, ali as salas de aula, depois as "workshops", yada, yada, yada... laboratórios de informática, e ali a cantina... cantina? E onde estão os pratos de almoço? Ah e tal, sopa com pão e, às vezes, tipo comida a sério (que parece mas nunca é!). Estes noruegueses. Simpáticos, sim senhor! Sorriem de borla na rua (já o havia experimentado em Tromso) mas comidinha que é bom, 'tá qu'eto! E cara! Por cada 2 sopas com pão na AHO, almoço 3 dias (salada, sopa!, prato, bebida, pão...) na ULapland. Para referência, um menu Big MAc são quase € 9. Bem, às horas tantas (p'raí 2 da tarde), a cortesia via-se numa espécie de bolo e um refrigerante para enganar o estômago... dos noruegueses! Que um estômago treinado como o meu não se deixa enganar! Vá lá saber-se porquê, na minha mesa (sim, fui o primeiro a sentar-me, ainda cansado da esfrega do dia anterior) estavam a totalidade dos espanhóis que estão por cá! E um holandês... Mais tarde conheci os outros lusos (um alfacinha e um andrade). Há mais duas lusas que ainda não vi por lá. Não procurei, confesso. E há também finns que ainda não conheci... À noite houve uma espécie de praxe para os novos alunos (os do 1º ano) mas que eu não tive oportunidade de assistir. Estive a (preparar o) jantar! Antes de ir para fim-de-semana troquei algumas impressões com o flat-mate norueguês: como os outros, simpático e acessível que chegue. 15 a 0 aos finns. Os dias sem aulas (sábados e domingos) deram para "medir" a cidade e dar umas voltas de (re)conhecimento. É uma cidade maneirinha. Percorre-se bem, quer a baixa (lotada urbanisticamente, óbvio, mas ainda assim respirável), quer os suburbs (muito verdes, pelo menos antes de ficarem brancos e/ou congelados no Inverno). Tão maneirinha que em 2 dias estou preparado para uma visita guiada à menina do forcado. Para quem como eu acredita que a escultura é a arte das artes, sem considerar a apreciação da colecção exibida, esta é com certeza uma boa cidade para "ver". Seguem-se alguns registos das "visitas".

vista do porto em frente à sede do município

pormenor no parque de Vigelend

vista sobre parte do parque

na famosa ponte do Vigelandsparken

descubram a diferença entre um sighseeing português e este...


festival mela no porto com a câmara como fundo

teatro nacional

para se entrar na cidade paga-se: em automático em "manuell"

por-tu-gal! por-tu-gal!

podiam comprar "metros" novos... massa não lhes falta!

arredores verdinhos e nórdicos

um dos últimos trabalhos do autor d'O Grito

casa roubada, trancas à porta!
entrar no museu de Munch é como fazer check-in em Stansted


típico: não se perde uma oportunidade de se vir p'rá rua, parques, praias...
basta um raio de sol e eles aí estão!


Ah! portugisisk é como os noruegueses escrevem português.

5 comentários:

Anabela Magalhães disse...

Não tinha ideia que ias tão cedo para o Norte, carago! Fico contente pelo ossito já solidificado e espero que passes um bom Inverno... a propósito, hivernas?

Perttu disse...

Nice pics. -Hope you have good time :)

portugalilainen disse...

Anabela! Pois é... já estou com duas semanas de experiência norueguesa. E tanto faz aqui, na Lapónia ou em Portugal, eu até de Verão hiberno!

portugalilainen disse...

Perttu! Miten menee?
Vain voit kommentoida kuvia... anteksi. Minä yritän kirjoittaa blogin suomalaisen version.

Anabela Magalhães disse...

Ah! Hibernas!