terça-feira, 3 de outubro de 2006

notas (muito) soltas

Como o meu "transportavel" só chegou 3 semanas depois de mim (ou quase quatro! eu cheguei no dia 1 de Setembro e saí do Porto no dia 31 de Agosto) fui escrevendo alguns apontamentos no little black book (without poems in!). Assim, de uma vez só, vou deixar ficar soltas as frases que de um modo desenquadrado são títulos das ilustrações das minhas experiências.

3.Setembro
  • Muito obrigado catrapumpum p'la despedida fantástica e inesperada; meu deus, que saudades de dar umas "bombadas"!
  • Até breve mano farfulhas! Onde quer que eu esteja, tu estarás também. Um beijo no sítio do costume!
  • As companhias francesas são eternas. tmn!
  • Menina do forcado! Estou preocupado... não me consigo lembrar de tomar banho antes da partida. Acho que sim porque fomos os últimos a chegar ao aeroporto. Desculpa-me pela postura duro, durinho...
  • tioneca! tiabel! ninguém para o vosso zinho!
  • Riquinho, para mim serás sempre o maior! Mesmo!
  • Até Londres na Ryanair com uma hospedeira chata e antipática. Com o telemovel ligado e sem dormir quase nada (30 minutos?)... Em contrapartida, educação finlandesa a bordo irrepreensivel, assim como a simpatia. Mais alguns minutos de sono... Na última etapa aérea café de borla (é pecado pagar por café assim!). Recepção às 7 da manhã com uma bofetada de ar a 7ºC. Calar... sinto-me bem ;)
  • Taxi feminino. €10 irlandeses mais 11,5 portugueses. Agora que penso nisso acho que ludribiei o Stan. Sorry...
  • A cara de espanto das "meninas" do International Office da Universidade quando um portuga barbudo lhes surge pela manhã com uma mala gigantesca e outra que nem por isso (35 kg de roupa: essencialmente t-shirts... agasalha-te rapaz!), à procura das chaves do apartamento. As chefias fora do ecritório (nem sempre se trabalha às sextas, pareceu-me...).
  • Pega lá esta fellow tutor: loura (nem podia ser d'outra cor!), grande (mesmo grande!), larga e, obviamente, com muitos mais quilos do que eu (alguém a esfregar as mãos de felicidade). É terreno para ser explorado de galochas ;)
  • Formalidades de arrendamento, chave na mão para um quarto completamente vazio, uma cozinha com fogão e frigorífico (incluí colher de pau gigantesca!) e uma casa de banho "nórdica" patrocinada pela associação anti-bidé. Tens mesmo que fazer uma visitinha xôr Ferreira!
  • Xau Aino! Preciso de dormir. São 11 da manhã e o céu está (muito) nublado.
  • 5 da tarde: Ora aqui a "grossery store". Do outro lado o RKioski. Aqui está o puhelinnumero (358509359090). 30 minutos depois no centro de Rovaniemi (com passagem pela "camara municipal" e pela Rovakatu) a Tutor de bicicleta e eu a pé - meu deus, que figurinha.
  • Regresso à mercearia (mini-mercado do tipo casalinho) e compra do jantar (leia-se sandochas): pão, qualquer coisa parecida com fiambre mas mais barata, alface com raiz e tudo!, 5 tupperwares pequeninos do tipo tigela, Kellog's Classic, iogurte líquido natural, compota de mirtilo (o frasco serve de copo. Abre os olhos moço!) e um "bom dia" de manteiga francesa.
  • Sandochas, dentinho lavado, xixi, e cama. Cama não, saco-cama e chão!
  • Acordar às 9:00 e preparar o pequeno-almoço: num tupperware pequeno colocar alguns flocos de trigo, juntar uma colher de plástico de compota de mirtilo e iogurte suficiente para cobrir bem. Tomar banho enquanto amolece. Pronto a comer com colher de pau! O café (saudades da menina do forcado) bebe-se sem açucar mas não por opção. Algures em Rantivitikka sem mesa, sem sítio onde pousar os glúteos, mas ainda assim com máquina para cortar a barba!
  • Compromisso às 11:00 no número 11 do mapa. Polacas, grego e australiana atrasados. Visita à libraria desenhada por Aalto (desenhou também a cidade quando os alemães a queimaram durante a guerra contra os russos). Não gosto de bicicletas em second-hand: continuo a pé!
  • Primeiro almoço (com direito a prato e talheres) é num restaurante chinês. E viva a globalização. Ou não!
  • Ao fim da primeira semana de orientação estou todo desorientado! Pelo menos agora já pedalo...
  • O flat-mate é um finlandês estranho: não quer que traga amigos cá para casa para a bebedeira (nem eu!). É um puto atinadinho, parece.
11.Setembro
  • Na semana de (des)orientação conheci muita gente de muitos lados. Os espanhóis agradam-me mais que os outros. Deve ser porque falam com as mãos, os braços e muito alto!
  • Continuo sem cama.
  • Não me sinto nada perdido no meio desta (des)orientação, apesar de não saber como se vai definir o "study plan" nas próximas semanas. Nem tenho medo de não ter medo...
  • Se quiserem saber para onde vai o dinheiro dos nossos impostos (sim, eu também descontei nos últimos anos, e muito!) eu digo-vos: pelo menos uma parte microscópica da massa é para ajudar um gajo portuga e barbudo a fazer um MA em Industrial Design na Lapónia. Boa zinho! Quem não chora, não mama!
  • A cerveja daqui é má! Não há formas simpáticas de dizer isto. Agora financio a cultura dinamarquesa e/ou o turismo irlandês.
  • Faz-me falta uma cama, o meu computador, e muita falta a menina do forcado!
  • Ainda estou na fase de perceber como as coisas e as pessoas "funcionam". Até aqui não há episódios negativos. Está a valer a pena: uma secretária e uma máquina de escrever (sinto falta de um teclado...) e respectivo transporte por €24. Tudo em second-hand, of course!
  • Outra vez globalização: comida italiana (a pizza mais pequena é kingsize: metade fica para o jantar) no norte da Finlândia, acompanhado por uma finlandesa, uma espanhola e uma indiana, num restaurante com nome francês, propriedade de um turco, e patrocinado por uma bebida americana.
2.Outubro

Há 3 dias que tenho a menina do forcado cá (que posso pedir mais?)!

Atalhando estas últimas semanas: já tenho o "study plan" mais ou menos orientado. O rabo já não me dói tanto como nas primeiras semanas (então? Mentes contaminadas! É porque me começo a habituar à bicicleta e respectivo celim. Experimentem ir para o vosso trabalhinho, ou para o café, ou outro sítio qualquer de bicla e digam-me qualquer coisa...).
A friendly family é de facto friendly. Na passada quinta assisti a um concerto da Lapin kamariorkesteri porque a mãe é violinista e o pai fagotista! Espectacular!
A minha "mãe" na faculdade gostou (muito) do lecture journalsobre a DfA Conference. Pensa até atribuir-me mais que 2 ects. Obrigado Liisa!
O projecto Only Planet para a Nokia já começou. No meu grupo (um destes dias o grupo é mesmo meu!) há mais 4 finlandesas. O ritmo de trabalho com elas (ainda) é estranho.
De agora em diante vou tentar manter este e-espaço mais ou menos actualizado. Mas o tempo é apertado aqui: ir às compras significa "perder" um quilo (andar de bicicleta não é fácil) e "gastar" horas (como não se consegue carregar tudo numa bicicleta, as compras são frequentes...), apesar da escala reduzida da cidade (isto é mais pequeno que a Maia).
Sem me alargar muito mais dou-vos oportunidade de "orientar" alguns assuntos (para já falei só dos chatos: pareço a gaja da Ryanair). Perguntem se quiserem!

2 comentários:

MV disse...

Mas que grande post!
Perguntava-me eu, como tinham corrido os primeiros dias de adaptação...
Agora sei, exaustivamente!
Grande ideia o blog, vai pró topo da minha lista de "must read daily", mesmo à frente de "A tua amiga", vê lá tu!!!
Keep them coming!
MV

Anónimo disse...

Oh Zeã!!!

Quece dezer... nem te despedes de mim nem do Jonhny? nem um caneco (como diz o Joao)?
Agora já nem precisas de mandar mail's personalizados... basta ligarmo-nos ao teu blog!!!
Acho bem!

Espero que estejas muito bem e força para tudo!!
Beijinho
Antónia